Cosmético orgânico, vegano, natural, cruelty-free e sintético

Entenda a diferença entre cosmético orgânico, vegano, natural, cruenty –free e sintético antes de aderir a essa onda.

Há algum tempo a onda de consumo de cosmético orgânico, vegano e natural vem bombando. Você sabe o que cada nomenclatura representa? Tem curiosidade de saber a origem dos ingredientes que colocam em contato com a pele? “Apesar do fato de estarmos cada vez mais ouvindo sobre marcas sustentáveis, ainda existe muito ‘greenwashing’, que é a história do marketing verde que não é verdadeiro, muito mais um discurso de vender a sustentabilidade, a saúde e a beleza natural sem realmente carregar esses conceitos em toda a sua cadeia produtiva”, alerta Patricia Lima, fundadora da Simple Organic, marca de cosméticos orgânicos, veganos, naturais e cruelty-free.

Vem entender a diferença entre cosmético cosmético orgânico, vegano, natural, cruelty-free e sintético.

Cosmético orgânico

É aquele desenvolvido e formulado com matérias-primas naturais certificadas, produzido com base nos princípios do aperfeiçoamento dos recursos socioeconômico e da sustentabilidade, sem prejudicar a natureza. Os ingredientes utilizados são livres de pesticidas, utilizando processos naturais para plantar, cultivar e extrair os alimentos da terra. Dessa forma, sua plantação e colheita não agridem o meio ambiente, sendo livres de agrotóxicos e outros agentes químicos.

Para as empresas que certificam cosméticos no Brasil, um cosmético orgânico deve atender a uma porcentagem mínima de ingredientes. “A Ecocert, empresa que certifica os cosméticos da Simple Organic, por exemplo, determina que um cosmético orgânico deve possuir, no mínimo, 95% das suas matérias-primas certificadas como orgânicas. Os 5% restantes podem ser compostos por água e/ou matérias-primas vegetais”, esclarece Patricia.

Cosmético natural

Um cosmético para ser considerado natural deve possuir no mínimo 95% do total das suas matérias-primas de origem natural e os 5% restantes por matérias-primas orgânicas e/ou sintéticas. Desde que esses ingredientes não atendam pelo nome de parabenos, petrolatos, triclosan, mercúrio, óleo mineral, hidroquinona, PEGs, imidazolidinyl urea, diazolidinyl urea, lauril sulfato de sódio, lauril éter sulfato de sódio, BHA, BHT e silicone. “Também não podem utilizar em sua formulação qualquer ingrediente de origem animal”, diz ela.
Cosmético vegano

Trata-se de um produto que não utiliza matérias-primas de origem animal. “Isso não significa que ele seja natural ou orgânico. Ele pode ser inteiramente sintético e, ainda assim, continuar sendo vegano”, explica Patricia Lima.

Cosmético cruelty-free

A expressão cruelty-free vem do inglês e significa “sem crueldade”. Dessa forma, os cosméticos que compõem essa categoria não realizam testes em animais. Todavia, isso não significa que não há matérias-primas provenientes de origem animal em sua composição. Ou seja, é possível ser cruelty-free, sem ser vegano.

Sintéticos

Ainda são a maioria dos produtos disponíveis no mercado e muitos contam com ingredientes desenvolvidos em laboratório, de origem animal, utilizam corantes, conservantes, silicones, álcool e parabenos, ingredientes que podem trazer risco à saúde. Outro ponto é que muitos deles são testados em animais.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here